-Blog PecNética- - Aqui o touro não é de boiada!

Angus: preto não é igual a preto

Angus: preto não é igual a preto

Como já muito discutido aqui no PecNética, a exemplo do post Do tatu com cobra ao boi de qualidade, a retomada do cruzamento industrial deu um verdadeiro upgrade na qualidade do rebanho nacional.

São dezenas as marcas de carne que pagam bônus entre 2% e 10% a quem entregar uma composição sanguínea meio-sangue Angus, maciez, rendimento e acabamento de carcaça.

Tamanha recompensa levou a uma corrida frenética por sêmen do taurino britânico. Entretanto, para muitos pecuaristas, basta o sêmen ser “preto” para ser bom. E não é assim que a roda gira.

Note a foto de abertura. O leitor enxerga três touros iguais? Outro belo exemplo, segundo meu competente amigo e assessor técnico Fernando Velloso, são três dos reprodutores Angus mais utilizados atualmente.

Diria a vocês que OCC Headliner (Líder), SAV Resource e Sitz Upward 307R (Upward) têm em comum só a cor. Entre o primeiro e o terceiro existe uma diferença aproximada de 286 kg de peso vivo e 1,2 pontos de frame. É uma distância elástica e ocorre pela enorme variabilidade da raça.

Fernando Velloso explica que a dep de Altura ao Ano (YH na sigla em inglês) é mais importante que o frame do próprio touro

Fernando Velloso explica que a dep de Altura ao Ano (YH na sigla em inglês) é mais importante que o frame do próprio touro

Os primeiros relatos sobre o Angus datam do século XVI e nos EUA, origem de 70% do sêmen importado (Index Asbia 2015), o porte do animal já variou de “porquinho” a “girafa”. Hoje é comum encontrarmos porte moderado.

Sem considerar os riscos de partos distócicos, não necessariamente touros grandes garantem maiores rendimentos de carcaça. É o caso de Resource.

Ele está abaixo da média para altura ao ano, mas é top 1% em peso de carcaça (PC). PC ou ainda WC (Weight Carcass) no sumário americano é outro atributo importante a se observar.  

Como avaliar tamanho nos sumários americanos

De acordo com Velloso, a informação de altura mais importante nos sumários dos EUA é a Altura ao Ano (AA) porque é a dep que estima o tamanho médio dos filhos produzidos pelo touro. Na sigla em inglês, ela aparece como YH (Yearling Heigth).

Animais muito próximos a 0.0 são pequenos, 0.3 são médios  e 0.6 a 1 são grandes. No Brasil, é diferente.

“O Sumário Brasileiro da Raça Angus apresenta a avaliação do tamanho em escores visuais, atribuindo notas de 1 a 5, sendo que 1 é o menor animal do grupo contemporâneo e 5 o maior”, explica Velloso.

+Deps que ajudam a escolher um touro

Como diz Daniel Carvalho, gerente de Produto Corte da CRI Genética, touros diferentes geram bezerros de peso, tamanho, metabolismos e requerimentos nutricionais distintos.

Além das deps de altura, o executivo sugere atenção às de peso à desmama, peso ao ano e gordura. Mais peso e menos gordura indica que o touro é “crescedor”; peso moderado e mais gordura é precoce para terminação e abate.

Comentários

  1. RespostaJose Roberto Pires Weber
    Já li, meu amigo. Teu artigo é procedente e espero que sirva para esclarecer dúvidas e renovar conceitos. Parabéns!
  2. Respostamarcusrezende
    Muito bom... obrigado por compartilhar!
    • RespostaAdilson Rodrigues
      Olá, Marcus, é um prazer tê-lo por aqui. Agradeço e visita e prepare-se, pois vem assunto bom por aí. Abraço!
  3. RespostaGILDENOR TEIXEIRA
    Obrigado pelas informações! Muito úteis.

Fique à vontade para comentar este post