-Blog PecNética- - Aqui o touro não é de boiada!

Armadilhas por trás do TOP 0.1%

Armadilhas por trás do TOP 0.1%

A estação de monta chegou e com ela a ânsia do pecuarista adquirir a melhor genética bovina só aumenta. Com as edições dos sumários já consolidadas, os holofotes voltam-se aos touros melhor ranqueados. E aí mora o perigo!

O número decimal que designa o melhor reprodutor entre mil, pode esconder algumas pegadinhas. Atualmente, atua como um mindset, um poderoso gatilho mental que induz o subconsciente ao consumo deste material genético.

Mas, nem sempre um TOP 0.1% é o que a propaganda faz crer. É absolutamente comum e compreensível que um touro seja extremamente diferenciado em algumas DEPs e nem tanto em outras de grande impacto econômico.

Veja um exemplo prático.

Após passar os olhos pelo Sumário Nelore Brasil da ANCP, dê uma boa olhada no primeiro colocado da tabela para Idade ao Primeiro Parto (IPP), um excelente animal, por sinal, sendo bem destacado em diversas qualidades.

É TOP 0.1% para IPP, 3P (Probabilidade de Prenhez Precoce), Stayability (Longevidade) e nas páginas posteriores em ACAB (Acabamento de Carcaça), porém, não está entre os líderes para PS (Precocidade ao Sobreano) e PPC (Peso da Porção Comestível), entre outras deps.

Noturno está no limite indicado pelos especialistas em habilidade materna, com TOP 35% para MP120, e um ranqueamento até bom para fertilidade, com 11% em PE365 (Perímetro Escrotal aos 365 dias), só que ainda distante daquele número, hoje, cabalístico.

Se o nobre leitor desejasse melhorar a habilidade materna do rebanho, em especial, este touro facilmente poderia ceder lugar a outras opções mais interessantes, incluindo reprodutores líderes em tal característica.

Importante certificar que a régua de deps esteja equilibrada. Como dito no post Sem critério, líder do ranking seria castrado, não existe touro perfeito. Em boa parte dos casos, animais TOP 30% já fariam milagres. E para não ficarmos apenas na especulação, vejamos a opinião de três especialistas no assunto:

Arnaldo Manuel Souza Borges, médico-veterinário, assessor técnico e presidente da Associação Brasileira dos Criadores de Zebu (ABCZ)

“Muita gente construiu touro TOP 0.1% só com base no computador. Um touro considerado o melhor de avaliação da raça Nelore, aos oito anos de idade já não produzia mais sêmen porque não conseguia ficar de pé. Conversando com Raysildo Lobo (ANCP) o próprio mostrou-se preocupado com a supervalorização do TOP 0.1%. Há topes 15, 20 ou 30% com qualidades produtivas importantes.”

José Bento Sterman Ferraz, médico-veterinário, mestre e doutor em Genética e professor titular de Melhoramento Animal FZEA/USP

“A supervalorização dos touros TOP 0.1% é um problema sério. O animal é “top” para quê? Alguns índices genéticos incluem características em demasia. Pra piorar, comparam touros topes com toda a população. É óbvio esperar-se que um touro safra 2014 seja melhor que um safra 1994. E o TOP de quem tem pastagem oriunda de ILP é diferente do TOP daquele que possui pastos de 25 anos em terreno superarenoso.”

William Koury Filho, zootecnista, jurado, consultor, mestre e doutor em Produção Animal

O melhoramento genético também vive seus dilemas, tais como desmistificar a busca insana pelo tal TOP 0.1%. Geralmente, pode ser um índice que não representa a necessidade no momento. Assim, um touro TOP 10% até 30% pode ser mais indicado aos objetivos, por apresentar biótipo mais adequado ou ser forte em uma característica reprodutiva de interesse ou ainda na habilidade materna que se precisa melhorar na seleção.

Segundo o geneticista José Bento Sterman Ferraz, fertilidade é a DEP mais importante para escolha de um reprodutor

Segundo o geneticista José Bento Sterman Ferraz, fertilidade é a DEP mais importante para escolha de um reprodutor

Então, o que fazer para escolher um bom touro? PecNética foi atrás desta resposta e a decisão poderia ser tomada em duas etapas.

Etapa 1 – Fertilidade e Habilidade Materna

“Ninguém comeu e nem vai comer carne de um bezerro que não nasceu, então, fertilidade é a característica mais importante. Além disso, peso à desmama, ganho de peso pós-desmama e acabamento de carcaça são características que qualquer pecuarista precisa ter no rebanho”, explica José Bento Sterman Ferraz.

Etapa 2 – Pente Fino

“Aí falamos de sintonia fina e dependerá do foco do criador. Se vai privilegiar terminação (eficiência alimentar), qualidade de carcaça e carne (medidas de ultrassom e maciez), produção de novilhas de reprodução, etc”, conclui o especialista.

Agora, a decisão é sua, não mais do marketing!

Comentários

  1. RespostaErico
    Fico muito impressionado quando assisto um leilão onde os vendedores, ou assessoria indica com veemência que tal animal exposto a venda é top 01, 05 ou 1%, sem contudo esclarecer ao comprador se esse índice refere-se à qual características!!! é o mesmo que vender um produto sem indicar para que serve, qual a sua utilização!! Quanto aos leilões gostaria de expressar minha indignação!!! Quem ganha dinheiro é só o Paulo Horto, o coitado do produtor fica lá, esperando 20/30 meses, torcendo pra dar tudo certo pra receber o que vendeu!
    • RespostaAdilson Rodrigues
      Olá, Enrico, tô contigo em relação ao marketing feito em relação ao índice top sem esclarecer para que realmente serve ou em qual característica o touro possui tal ranqueamento. São coisas que deveriam mudar enquanto ainda não é tarde. Já sobre o caso da leiloeira, difícil opinar. Agradeço sua visita e assim que possível voltarei com mais novidades sobre o tema.
  2. RespostaJose luiz Niemeyer dos Santos
    Vejo um trabalho intenso e importante na seleção de fêmeas Nelore mais precoces, com o objetivo de antecipar o primeiro parto. No meu rebanho um percentual alto das precoces tiveram alguma dificuldade no parto, outros criadores relatam o mesmo. Fiquei muitos anos sem pesar o bezerro ao nascer e recomecei nessa estação, grande surpresa, o PN médio aumentou muito! É urgente é fundamental para a raça Nelore a seleção para baixar o peso ao nascer.
    • RespostaAdilson Rodrigues
      Olá, Niemeyer, fico feliz e honrado com sua visita e comentário aqui no PecNética. Esse post, em especial, tem gerado muito debate, o que eu acho saudável, pois quando o assunto é produzir carne, todo o cuidado com a genética é pouco. Facilidade de parto realmente é uma característica de extrema importância. Grande abraço e o espero mais vezes aqui!
  3. RespostaFernando Tamborlim Ferreira
    Além do mais, deve-se levar muito em conta a acuraria. O que hoje , é TOP 0,1 pode em pouco tempo virar TOP 30,40....e aí po diante.
  4. RespostaAlexandre Zadra
    O blog está bem legal, parabéns Adilson. Continue firme.
    • RespostaAdilson Rodrigues
      Obrigado por sua visita, Zadra. Continuarei firme e forte para consolidar este canal de informação de genética de qualidade.
  5. RespostaPaulo Wildberger
    Como vocês podem afirmar que um determinado animal que não foi avaliado é top 100. O certo no comentário para este animal deveria ser, "animal não avaliado", e não atribuir um índice criado para desmerecer o seu potencial. Sinceramente não concordo com determinadas informações dadas pelos programas ditos de melhoramento. Não é porque o animal não entrou nas avaliações dos programas que não se presta como reprodutor ou matriz.
    • RespostaAdilson Rodrigues
      Olá, Paulo. Obrigado por sua visita. Creio que o problema esteja é na interpretação das informações dos sumários. Cada um vai usar aquilo necessário para seu objetivo pessoal, seja para o bem ou para mal. Outro ponto é que a qualidade genética e o manejo do rebanho brasileiro são irregulares, então fica difícil atribuir se a culpa é do touro ou da vaca quando as coisas dão errado só com avaliação visual. Neste quesito, em especial, considero que os programas de avaliação genética sejam de extrema importância para uma tomada de decisão. Como em qualquer outra discussão, o problema está no critério do uso. Espero vê-lo por aqui mais vezes.
    • RespostaAndré Moura Andrade
      Parabéns ao Adilson pelas publicações. Agradeço também a você Sr Paulo pela excelente ponderação. No caso de nossa Raça Brahman, como muitos animais são de origem importada, deixam de ter avaliações lançadas nos sumários, estão apontados como Top 99% (seria um fantasma ???) e consequentemente prejudicam as avaliações de seus filhos, netos, etc. Também de maneira controversa, eu como assessor técnico já descartei machos Top 0,5% classificados pela matriz de parentesco, que sequer seriam uma fêmea comercial razoável num plantel tamanha a falta de qualidade racial e dimorfismo sexual. Portanto devemos ter muita sensibilidade ao utilizar essas importantes e colaborativas ferramentas, principalmente no caso de uma raça nova para o Brasil como o Brahman, mas nunca deixar de contar com nosso conhecimento pessoal e experiência nos acasalamentos, assim como nos resultados já provados na prática. Abraços. André Moura Andrade - Support Genética Assessoria Pecuária
      • RespostaAdilson Rodrigues
        Olá, André. Como estão as coisas no Support e o trabalho com a raça Brahman? Realmente, avaliar apenas o número absoluto pode prejudicar a interpretação do touro e, mais uma vez, conhecer as DEPs do animal, a base genética do sumário, as características avaliadas e o peso dado a elas têm ganhado ainda mais importância. Temos visto também muitos exemplos do impacto de se apurar o racial. Acredito que apurar todas as informações disponíveis sobre o touro desejado seja o caminho mais assertivo para uma tomada de decisão acertada. Grande abraço e obrigado pela visita.
  6. RespostaBárbara Gonçalves
    Gostaria de saber sua opinião sobre o touro Jabriel, em relação à produtividade. Um abraço!
    • RespostaAdilson Rodrigues
      Oi, Bárbara, tudo bem? Devo fazer um post sobre ele, mas como acabei de tratar sobre o Basco vai demorar um pouquinho. Ainda não tenho opinião formada, preciso ver as DEPs do Jabriel no sumário, avaliar fenótipo e consultar alguns especialistas que o conheçam bem.
    • RespostaIuri Mascarenhas
      Produz animais de grande beleza racial, pesado e pelagem totalmente branca
      • RespostaAdilson Rodrigues
        Olá, Iuri, obrigado pela visita. Em relação às deps dele e às progênies a pasto você teria informações?
  7. Respostajeronimo
    O cálculo que indica se o touro e top 0.1 ou top 30 ou top 100 . Não é o mesmo? não é baseado em estatísticas?
    • RespostaAdilson Rodrigues
      Olá, Jerônimo, obrigado por sua visita. A fórmula para o cálculo, que é o índice genético, varia conforme o número de características avaliadas por cada sumário e também pelo peso atribuído a cada uma delas. Por exemplo: o TOP 0,1% para maternal no PMGZ pode resultar em um valor diferente quando comparado ao TOP 0,1% da ANCP e assim sucessivamente.

Fique à vontade para comentar este post