-Blog PecNética- - Aqui o touro não é de boiada!

Nelore pernalta e a grama da pista

Nelore pernalta e a grama da pista

Eu me impressionava com os curiosos recordes do Guiness Book – E não me engane, caro leitor, sei que você acompanhava também! Brincadeiras à parte, quem não se comoveu com a história de Sultan Kösen. Desde 2009, os incríveis 2,51 metros de altura rendem ao turco o recorde de homem vivo mais alto do mundo.

Apesar de fazer história, a vida de Sultan não é nada fácil. Não era raro vê-lo portando muletas, além do fato de que o tamanho avantajado gera problemas na sustentação do corpo, catalisados por dolorosas artrites, entre outras muitas consequências como infertilidade. A natureza mostra que os extremos nunca são bons para a saúde e o desempenho de qualquer indivíduo.

Traçando um paralelo na pecuária, igual a Sultan, Vinke da MV, um touro Nelore danado de bruto, causou fervor em 1997, com seus 1,69 metro de altura no anterior, 1,72 metro no posterior, comprimento corporal de 1,98 e seu recorde mundial de peso aos 48 meses de idade. O animal ultrapassou a incrível marca de uma tonelada, 1.325 kg para ser mais exato. Valeria até o Guiness!

Com um pouco de marketing, logo Vinke estampou as capas dos veículos de imprensa especializados em agronegócio de todo o País. Acompanhei o processo de pertinho, pois à época eu exercia a função de clipador na assessoria de imprensa da Fazenda Morro Vermelho, proprietária do recordista.

Como eu já mencionei no post HáHáHá… Dep, o que é isso?, touro campeão na pista de julgamento da ExpoZebu automaticamente credenciava-se para coleta nas centrais de inseminação artificial. Logo no primeiro ano, em 1998, o Apolo dos bovinos produziu mais de 53 mil doses, ultrapassando todas as demais raças bovinas. Segundo a premissa de duas doses de sêmen para uma prenhez, é plausível dizer que somente nesta primeira leva, produziu-se 26 mil filhos.

Entretanto, com o passar do tempo, o mercado se esqueceu de Vinke da MV. Talvez tenha algum leitor acima de 25 anos que sequer tenha ouvido falar dele. E foi esta nostalgia que fez eu lembrar do turco. Da mesma forma que na vida real, o tamanho exagerado também trouxe consequências à nossa versão pecuária do Sultan.

Hoje, é sabido que a seleção genética fechada no peso prejudica a evolução de outras características de grande impacto econômico, a exemplo da fertilidade e acabamento de carcaça. Se é incrédulo, acesse www.ancp.org.br e escreva o nome de Vinke na busca de touros.

Desta forma, você terá acesso a todas as Deps do animal. Eu fiz a busca e notei que a teoria realmente se aplica à prática. As Deps relacionadas ao ganho em peso são espetaculares – e não poderia ser diferente, pois ele foi criado para tal ofício – já as demais ficam devendo um pouco.

Michel Caro

Para Michel Caro, o Nelore pernalta já se foi há um bom tempo na pecuária brasileira

Vinke da MV, atualmente, representa um time de animais considerados tardios, os quais os especialistas definem “Nelore Pernalta” ou, no jargão popular, “Boi que toma vento nas canelas”. Com o rumo empresarial que a atividade engrenou, esse biótipo perdeu espaço na pecuária brasileira. Constatei ainda em 2010, na matéria “Antes os campeões das pistas, agora os campeões dos pastos” e quem vive da seleção massal de touros funcionais a pasto endossa o que eu digo.

“O Nelore pernalta ilustra um biótipo que brilhava nas pistas, onde os detalhes plásticos da beleza racial primavam. Esse tem os dias contados. Creio até que já se foi. Por outro lado, muita coisa ainda vai surgir na evolução genética do zebu”, concorda Michel Caro, titular da Fazenda Bonsucesso, de genética Nelore ZAN.

O Nelore considerado tardio até teria um bom proveito nas dietas privilegiadas de um confinamento intensivo, todavia, no campo, a dificuldade de mantença afetaria o equilíbrio na produtividade. Uma pena para Vinke, que também era um fenômeno na produção de sêmen: média de 600 doses por ejaculado.

Ainda tem muitos Vinkes por aí, então, quando aquele exímio exemplar brilhar na grama da pista, tenha a certeza de que ele vai encantar nos pastos também. Veja o caso do Angus, o taurino já foi “porquinho” e “girafa” no passado. Desculpem pela qualidade ruim da foto de abertura, mas não existe mais a original em arquivo. Esta pertence à central Apoio Genética.

AVALIAÇÃO GENÉTICA INDIVIDUAL VINKE DA MV – DEPS GRÁFICAS ANCP

DIPP DPE 365 dias DAOL DACAB MGTe
TOP 100% TOP 60% TOP 80% TOP 70% TOP 45%

DIPP – DEP idade ao primeiro parto; DPE Dep Perímetro Escrotal, DAOL – DEP Área de Olho de Lombo; DACAB – DEP Acabamento de gordura; MGTe – Mérito Genético Total Econômico (indica se o touro gera lucro ou prejuízo); lembrando que qualquer TOP acima de 50% é ruim. TOP 100% indica que ele é o último colocado na característica avaliada.

 

Fique à vontade para comentar este post