Eficiência produtiva é o novo mantra a quem depende da pecuária para sobreviver. A resposta para alcançá-la é simples, mas os meios podem ser um pouco tortuosos. Implica em uma série de reestruturações que impactam de sobremaneira o modus operandi da propriedade. Desafiador e ao mesmo tempo apaixonante, para quem não teme prosperar.

Assim como Jasão à procura do Velocino de Ouro, na mitologia grega, a aventura do pecuarista moderno é produzir o seu próprio “Novilho de Ouro” ou melhor dizendo seu novilho precoce. Mas, antes de continuar esta leitura, nobre leitor, peço licença para esclarecer que a beleza não está no produto final e sim no conceito de trabalho.

Conceito porque sua execução exige uma visão holística do negócio (guarde bem essa palavra, pois você vai ouvi-la muitas vezes nesta década),  dependerá daquilo que acontece no além-porteira. Da mesma forma que Jasão teve de enfrentar o desconhecido, o “neo-pecuarista” precisará desvendar os segredos por trás da produção de um boi bem acabado abatido entre os 24 e 36 meses, em meio a uma realidade que beira os 42.

218 views