Acompanhando a Expointer, uma feira onde a paixão pela pecuária salta aos olhos, escolhi o tema do post desta semana: carrapato. Um trabalho da Embrapa Pecuária Sul identificou populações resistentes a todas as classes de produtos existentes de acaricidas, principalmente em virtude da resistência cruzada.

A situação é arrepiante e, acredite, é uma realidade cada vez mais próxima do seu plantel. Não à toa, os carrapatos já causam prejuízos na ordem de 3,5 bilhões de dólares ao bolso dos pecuaristas brasileiros. Nesta guerra sem fim, o criador precisa utilizar todo o arsenal disponível, principalmente quem cria taurinos, os mais suscetíveis às infestações.

Lembro que em meados de 1994 a Conexão Delta G lançava o embrião de um projeto pioneiro no Brasil: a seleção de bovinos resistentes ao carrapato. Idealizado a partir de uma bucólica percepção do vaqueiro, em reconhecer se uma vaca ou terneiro têm ou não “sangue doce” para o paladar do ácaro, vim a conhecer o projeto, de fato, mais nos anos 2000.

475 views