Armadilhas por trás do TOP 0.1%

Armadilhas por trás do TOP 0.1%

A estação de monta chegou e com ela a ânsia do pecuarista adquirir a melhor genética bovina só aumenta. Com as edições dos sumários já consolidadas, os holofotes voltam-se aos touros melhor ranqueados. E aí mora o perigo!

O número decimal que designa o melhor reprodutor entre mil, pode esconder algumas pegadinhas. Atualmente, atua como um mindset, um poderoso gatilho mental que induz o subconsciente ao consumo deste material genético.

Mas, nem sempre um TOP 0.1% é o que a propaganda faz crer. É absolutamente comum e compreensível que um touro seja extremamente diferenciado em algumas DEPs e nem tanto em outras de grande impacto econômico.

2.341 views

Tricross, o atalho para o superprecoce

Tricross, o atalho para o superprecoce

Peço licença aos meus mentores que ensinaram que tricross é um neologismo e, por este motivo, o correto seria usar a expressão inglesa Three Crossover, termo original para designar o cruzamento triplo. Apesar de não existir, faço coro ao time de zootecnistas, médicos-veterinários e pecuaristas de todo o País e adoto o tricross mesmo, o mais curto caminho para a produção do novilho superprecoce.

Como discutido no post Do tatu com cobra ao boi de qualidade, hoje os pecuaristas contam com uma pedra fundamental muito interessante para construir suas fábricas de carne, que é a vaca meio-sangue Nelore/Angus, nossa estimada F1. Existem muitas outras opções que também geram ótimo resultado tanto no pasto quanto no confinamento, mas estas, em especial, já somam 3 milhões de cabeças na pecuária nacional.

Com faro apurado e a escolha correta da terceira raça, além de contar com boia farta no cocho, produzir bezerros terminados com 20@ aos 13 meses parece simples. Só que erros sutis podem tornar essa brincadeira onerosa, ainda mais que a saca de milho não ficará abaixo dos R$ 45-50,00, de acordo com previsões da Abramilho. Agora eu pergunto, qual seria a raça apropriada para usar em cima da meio-sangue?

2.753 views

Heterose não faz milagre

Heterose não faz milagre

Sinto falta… Hoje, mesmo após a retomada do cruzamento industrial, é difícil vermos a heterose figurar entre os principais temas abordados nos dias de campo.  Particularmente, acredito ser uma discussão  contextualizada com o momento que vivemos.

É bem verdade que caiu no conhecimento comum, mas será que ela vem sendo explorada de forma correta pelos pecuaristas? No passado, a discussão girava em torno da crença de que apenas misturando raças ou linhagens a mágica ocorreria nos números da propriedade.

Em parte, estava correto. A heterose ou vigor híbrido, que ainda pode ser definida como choque de sangue entre as diferentes raças utilizadas em um cruzamento, sozinha, já é capaz de proporcionar um salto quantitativo nos índices produtivos do rebanho.

1.016 views